Quando você leu o título deste post, tenho certeza que muitas respostas diferentes podem ter aparecido. Desde fome de lasanha, de sobremesa antes do almoço até a fome de férias, de poder, de vitória. É bem comum usarmos o termo “fome” pra muitas coisas que não exatamente aquilo que comemos, né? Assim como não é estranho dizer que nos alimentamos de notícias ou que devoramos um livro ou revista.

E isso faz todo sentido, sabia? A Ayurveda diz que nós metabolizamos tudo aquilo que está ao nosso redor. Ou seja, digerimos sentimentos, emoções, relações, informação, sons, imagens, cheiros. Tudo que entramos em contato através dos nossos cinco sentidos é digerido por nós.

Agora fazendo um pequeno recorte nisso tudo, vamos pensar sobre as informações que recebemos todos os dias, de todos os meios. Sem contar com todas as outras fontes de “resíduos”, vamos focar na informação.

Não sei você, mas eu cresci ouvindo que tinha que estudar muito, ler muito, aprender muito, pra ser inteligente e ser alguém na vida. E o que fica disso é: tenho que consumir o máximo de informações pois isso me faz inteligente.

Será que isso é verdade?

Eu sou compartilhadora de conhecimento e produtora de conteúdo, então sempre me cobrei muito para aprender, aprender e aprender. Em todas as brechas do meu tempo eu me pego tentando encaixar mais informações. Quero assistir documentários no lugar de comédias românticas, ouvir podcasts ao invés de músicas pra cantar, ler livros técnicos ao invés de contos, palestras do TEDx ao invés de vídeos engraçados, me inscrevo em um monte de curso, palestra, workshop, online, presencial, assino conteúdo por e-mail em diversos formatos… Fora as notícias pra me manter atualizada e um pouco (ou mais que pouco…) de besteirol. Ufa!

Só de falar um pouco do que eu como de informação, eu já estou empachada. E foi assim que eu comecei a me sentir há algum tempo. Eu estava cansada e não sabia exatamente porque. Na verdade, eu pensei em mil coisas antes de chegar a conclusão de que meu diagnóstico era claro: OLHO GRANDE.

Eu sempre quero comer tudo que vejo pela frente. E sabe quando você come mais do que aguenta e bate aquele banzo? Pronto, agora imagine se nesse banzo você continuasse comendo e comendo e comendo. Qual seria o resultado? Passar mal, né? Claro… E esse meu mal estar pelo excesso de conteúdo consumido me pegou de jeito.

Abala o humor, atrapalha o foco, engorda, bagunça o sono, e mais um monte de consequências bem chatinhas de tratar depois.

Então minha mensagem de hoje pra você é bem simples: Cuidado com o que você consome e cuidado dobrado com o que você oferece para os outros consumirem.

Assim como na hora de se alimentar de comida, procure saber a procedência do que vai comer, busque opções saudáveis, coma menos e melhor. E também não se julgue por um fast food de vez em quando. 🙂

Mas, antes de tudo, tenha responsabilidade diante daquilo que você serve. O fato de vir até aqui te dizer isso me faz muito olhar pra mim mesma, sabe? E eu espero estar te oferecendo algo bom e produtivo, porque é produzido com muito carinho e cuidado.

E se você também gera conteúdo, seja responsável. As pessoas estão consumindo, digerindo, e isso interfere diretamente na vida (e na saúde) delas.